Exigências e mudanças que vieram para ficar

Um mundo muito mais preocupado com as condições sanitárias e a rastreabilidade dos alimentos, com novos hábitos de consumo, foco em redução de custos e protecionista do ponto de vista comercial. Para Roberto Rodrigues, ex-ministro da Agricultura e um dos cardeais do setor no Brasil, é mais ou menos esse cenário que aguardará produtores rurais e agroindústrias do país quando a pandemia do novo Coronavírus se dissipar, o que ainda é cedo para prever.

Segundo Rodrigues, que atualmente coordena o Centro de Estudos em Agronegócios da Fundação Getúlio Vargas (FGV Agro), atua como conselheiro de empresas como a BRF e faz palestras em eventos por todo o país, o Brasil tem todas as condições de vencer os desafios que virão e ampliar sua participação no comércio global.

“As exportações nacionais do agronegócio já são da ordem de US$ 100 bilhões por ano, mas é preciso, desde já, estudar profundamente as mudanças em curso e preparar respostas rápidas”, destacou o ex-ministro.

“Vejo que a questão sanitária será muito mais demandada, uma vez que a mensagem passada pela pandemia é de fragilidade nessa frente. Mas não é só o novo Coronavírus. Temos os problemas causados pela Peste Suína Africana na Ásia e em outras regiões e mesmo a gripe aviária, que continua dando trabalho mesmo em países desenvolvidos como a Alemanha”, disse Rodrigues em entrevista ao Valor por telefone.

O ex-ministro, que completará 78 anos em agosto, está confinado em sua fazenda no interior paulista para se resguardar do Covid-19.

De carona com a preocupação sanitária, acredita Rodrigues, virá uma atenção mais efetiva dos consumidores com a rastreabilidade dos alimentos, que até a pandemia, embora crescente, ainda era restrita. “Essa questão terá de ser encarada realmente com seriedade. As pessoas têm de saber de onde vem o produto que estão consumindo”, disse.

Mudanças de comportamento social também exigirão atenção redobrada de produtores rurais e empresas de alimentos, segundo o ex-ministro.

Ainda é impossível saber hábitos e rotinas que prevalecerão quando a população estiver novamente livre para ir e vir, mas Rodrigues aposta que algumas lições da crise vão vingar, como a valorização da alimentação nos lares, com qualidade e custos menores. “Muita gente está entendendo que a vida pode ser mais simples e mais barata”.

Também terá influência nessa mudança a redução de custos que muitas empresas entendem que poderão ter com a mudança da maneira de trabalhar. É claro que o home office intensivo não terá mais razão de ser, mas há claros sinais de que o modelo ganhará força em muitos setores, inclusive no agronegócio. “No meio rural, os empresários já entenderam que o olho do dono, que engorda o boi, pode ser digital”, afirmou Rodrigues.

Mas também as lições da crise vão gerar transformações em diversas cadeias. É notório, por exemplo, o esforço de produtores de frutas e hortaliças em ampliar seus serviços online e entregas diretas aos consumidores dos grandes centros nestes dias de confinamento. Ocorre que, para muitos deles, o desafio está comprovando que de fato é possível crescer dessa forma. O mesmo deverá acontecer no mercado de flores, um dos mais afetados pela crise.

No comércio internacional, finalmente, o ex-ministro alerta para a perspectiva de o mundo sair da epidemia do Coronavírus mais protecionista do que entrou.

Ele vê com preocupação a perda de protagonismo da Organização Mundial do Comércio (OMC) como intermediadora das relações entre os países e prevê que os acordos bilaterais vão continuar ganhando importância em detrimento dos grandes pactos multilaterais. “Daí porque, neste momento, já temos de ficar atentos ao acordo entre Mercosul e União Europeia”, afirmou Rodrigues.

Roberto Rodrigues

É Coordenador do Centro de Agronegócios da Fundação Getulio Vargas 1 e Pesquisador Visitante do Instituto de Estudos Avançados da USP, tem centenas de trabalhos publicados sobre agricultura, cooperativismo e economia rural. Autor de nove livros e co‑autor de diversos outros. Doutor Honoris Causa pela UNESP. Foi Professor do Departamento de Economia Rural da UNESP – Jaboticabal, e ex‑membro dos seguintes conselhos: da Fundação de Estudos Agrários Luiz de Queiroz – FEALQ, do Conselho Assessor da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária – EMBRAPA, do Conselho Estadual da Ciência e Tecnologia – CONCITE, do Conselho de Administração da Escola de Administração de Empresas de São Paulo – EAESP/FGV, do Alto Conselho Agrícola do Estado de São Paulo, do Centro de Integração Empresa-Escola – CIEE, do Centro de Conhecimento em Agronegócios - PENSA e do International Food and Agribusiness Management Association – IAMA, entre outros. Recebeu a Medalha Paulista do Mérito Científico e Tecnológico, a Comenda da Ordem Nacional do Mérito Científico, foi condecorado pelo Instituto Agronômico de Campinas e pelo Instituto Biológico de São Paulo. Foi eleito pela AEASP o Engenheiro Agrônomo do ano, em 1987 e Engenheiro Agrônomo da década, em 2004. Recebeu o Diploma de Mérito Agronômico da Confederação das Federações dos Engenheiros Agrônomos – CONFAEAB, em 2001 e a Medalha “Luiz de Queiroz”, da ESALQ, em 2004.